Meu filho é especial!

PicsArt_1435001705299

É muito comum cultivarmos e darmos plasticidade a esta frase: meu filho é muito especial! Seja dentro de um monólogo próprio, em redes sociais, na porta da escola, com amigos e familiares, ou até mesmo comprando remédios na farmácia.

Mas, tem alguma criança que não seja especial? Todos os querubins são preenchidos por uma natureza celestial aprimorada, com asas de anjo. Todos eles. São crianças com toda a originalidade da ingenuidade e pureza costurada dentro de si. Por isso, são capazes de arrancar sorrisos espontâneos, de curar enfermos, de encher de vida uma esquina escura, enfim, de fazer renascer o que anda sem entusiasmo.

Eles, em primeiro lugar, podem recriar um mundo novo, desfazer estilos de vidas rígidos, beliscar o preconceito, colocar a beleza no feio, dar de costas para o autoritarismo, incluir novas virtudes naquele que tem ao lado, dar cambalhotas para o azar, e hipnotizar o impossível. São, imensamente, especiais.

Então, se o “especial” nasceu dentro de todas nós, o que estamos querendo dizer além disso?

Creio que a necessidade de querer colocarmos o filho no pódio do “incomparável” é também se convencer de que tudo vale a pena já que trouxemos ao mundo alguém que tem mais “luz” que os demais.

Quem nunca?

– passei a noite inteira acordada com o coração pulsando do lado de fora – filha doente – e entre uma febre e outra a filha diz: mamãe, eu te amo – Meu Deus, que filha especial tenho!

Sem dúvida, minha filha é muito fofa, amorosa, agradecida. Porém, aquele especial da frase, inconscientemente, pode ter sido por ela “ter me enxergado” em meio a tanto sofrimento. Me senti reconhecida, devolveu-me afeto, devolveu-me gratidão e amor. Olha que privilégio!

Este sentimento que o filho nos devolve é inteiramente especial! É imensamente especial ser amado por alguém. É imensamente especial ser “incluído” por alguém. É imensamente especial se sentir importante para alguém. É imensamente especial ser necessário para alguém. E os filhos nos dão tudo isso em doses gratuitas de amor genuíno.

Eles têm a capacidade de nos devolver o amor próprio, de fazer com que o “especial” que existe dentro de nós seja resgatado, se faça vivo, legítimo em nossas vidas.

Atrás de um filho especial deve existir uma Mãe tão especial quanto! Será que é isso que estamos buscando repetir, constantemente, para nós mesmas?