Os 39!

By on 19 abril, 2017

web-vall

Ontem foi um dia de mais um ano. Cheguei aos 39 anos.

 

Não foi um dia tão feliz desde o momento em que abri os olhos, também não sei se teria que ter sido pelo simples fato de soprar velinhas.

 

Foi um dia nublado por aqui, meio frio, volta de um feriado longo com a minha filha doentinha, enfim, sobrava mal humor  e a cabeça pesada de queixas, me sentia A “vítima” da existência. E quanto mais eu resistia mais eu lutava por continuar nesse lugar.

 

Então, fui fazer terapia na depilação, entre um cabelo colado na cera e outro encravado enchi a sala de perguntas e a todas me ficou clara as respostas!

 

Ok. Diálogos sem tragédias. Então, fui comprar uma vela para o bolo e sai do supermercado com tres velas de jacaré! Achei o máximo aquilo! Aquelas velas esperavam por mim! Certamente essa atitude me fez acolher a minha criança interna que seguramente precisava de atenção (agora me dou conta disso). Fiquei tão feliz com aquelas velas e fiquei tão  maravilhada com a sensação de me sentir uma criança…  Comecei a sorrir no dia do meu aniversário.

 

Era o que eu precisava: apenas  sentir a minha emoção e SOLTAR a complexidade intelectual.

 

 

Entre velas, amigas e bolo tomei uma taça de chapangne, brinquei com as crianças e engoli uma vitrola; a Raquel finalmente estava PRESENTE.

 

Comecei a me dar conta naquele momento da minha presença. Comecei a observar as palavras que dizia, a forma com que eu gesticulava, as histórias que contava, qual assunto eu priorizava compartilhar, a alegría que tinha no meu olhar, como eu me fazia entender em outro idioma, notava a atençao de quem estava comigo, me sentía bonita com a roupa que eu estava, brindei com vontade pela Raquel de ontem, de hoje e certamente de amanhã.

 

Não estava apenas ali sentada como aniversariante, estava ali sentada SENDO EU. Sendo a Raquel que não exigiu nada dela mesma, apenas a observou e a deixou SER.

 

Enquanto eu estava presente no meu aniversário, também estava presente na minha tragetória vivida.

 

Pude me sentir tão bem em observar a caminhada dos 39 anos. Senti beleza, drama, intensidade,  superação, proteçao, luz e  AMOR.

 

E quando me disseram: faz um pedido… !!!!

 

Pedido? Foi tão natural o que veio…

 

CORAGEM!

 

É só o que eu preciso. Apenas preciso de coragem para seguir nesse infinito caminho que optei por viver; do AUTOCONHECIMENTO.

 

Coragem para desaprender a forma equivocada de viver; coragem para seguir me  conhecendo; coragem para asumir a responsabilidade pela minha vida; coragem para sentir; coragem para deixar o meu lado autêntico na vida; coragem para soltar o que não controlo; coragem para não sentir medo; coragem para pertencer ao todo, coragem para abrir os braços e pedir ajuda; coragem para pedir carinho; coragem para ser humana; coragem para sentir saudade; coragem para sair do caos; coragem para ser feliz; coragem para ser pequena e grande; coragem  para ser EU; coragem para aceitar a minha missão; coragem para regressar a “casa” quando chegar o dia.

 

É… é só isso que peço e espero merecer ter.

 

Quando cheguei em casa guardei com muito carinho as minhas velinhas… sem dúvida, elas me despertaram a coragem que me faltava no dia do meu aniversário.

 

Posted in: Sin categoría

Comments

  1. Malu Machado
    19 abril, 2017

    Leave a Reply

    Jacarés dão coragem e fome de vida !

Leave a Reply


You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*